09/07/2022 às 12:55

Sampei na Varejão 

9
2min de leitura

Partimos eu e mais dois queridos rumo a Pinacoteca - que agora se chama só Pina e a bailarina que lute - pra ver e saber mais da Adriana Varejão.

Vida fora e estrada a dentro quem é mais rico banca o rumo da conversa. Vivências, eu até tento puxar pra mim porque sou falador que é a porra, mas quem é viajado e vivido de verdade põe gente como eu sentado só na escuta.

E o Monstrengo é assim, com sua cara dura cravejada pelas pedras claras dos seus olhos tristes e sorridentes falava das suas vivências com índios em suas expedições de trabalho e assim nos cativava. Aprendesse muito, é tanto que andou e sabe, que o Caio, para ele, nem é um cara estranho. Pense!

Erra-se daqui, vira ali, diz-se ao seu André flanelinha que na volta a gente estaciona na vaga "dele", estacionamos em outro lugar, vintão pra entrar, detector de metal, mochila tem que ficar no guarda volume, entramos.

O lugar em si é só foda. Eu do meu jeito já começo a sofrer sem saber por onde começar. Começamos pelo miolo onde três ou quatro peças que parecem pedaços de uma construção bizarra onde assentaram azulejos sobre carne. O acabamento lembra aqueles cenários de parquinho itinerante de interior. Tipo trenzinho fantasma. A azulejo até engana bem, é pintado sim senhor. Poderia ser feito de forma mais realista? Poderia. Mas isso é minha cabeça pobre e tosca que fala e nada sabe. Trata-se de representar e acho que lendo nas bulas nas paredes e roubando umas falas de um guia que pastorava umas senhoras ricas deu pra entender. Pelo menos o mínimo.

É claro que tem muito mais coisa, essa cuia com os mexilhões é bem legal, o lance dos suportes atípicos eu acho muito bacana, muita coisa no plano dos detalhes. Você vê de longe e de perto... Dica, tem cuia que tem coisa no verso, mas tem que ver na "migué" porque os meninos nas divisas entre os salões só tem uma coisa pra fazer, não deixar ninguém pisar depois da linha. Aí tem tiradentes no banheirão, tem sauna, coisa que parece japa mas o bambu é doce. É isso. Vá ver que é legal. Contarei o resto do passeio com outras fotos em outra publicação.

09 Jul 2022

Sampei na Varejão 

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

Adriana Varejão Pina Adriana Varejão Pinacoteca

Quem viu também curtiu

20 de Jul de 2022

Os corredores poloneses da miséria. 

23 de Abr de 2019

Coragem todos os dias.

23 de Jan de 2021

Flora Brava